BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS »

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Tirando a poeira...

Oi gente, tudo bem?
Estou passando aqui só pra tirar a poeira, só pra dar o ar da graça, pois o blog tá abandonado, coitado...

Tenho feito muitas coisas nos últimos tempo, muito correria, muito cansaço e preguiça.
Mas no geral, estou feliz e acho que isso é o que importa, né?

Há algum tempo tentamos nos reunir, mas acabou não dando certo por uma série de motivos, quem sabe da próxima vez dá certo, né? Vamos torcer pra isso!

Bom, é isso!
Até mais!!!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Sobre morar sozinha


Quando eu fui morar sozinha ficava preocupada, achando que não daria conta, não sabia se conseguiria tomar conta de uma casa sozinha e coisa do gênero...
Como é que eu, que nunca soube fazer nada conseguiria me sair bem nessa 'empreitada'?
Bem, o fato é que semana que vem, mais precisamente no dia 29 vai completar dois meses que estou morando, de fato, sozinha.
Se estou me saindo bem? Acredito que sim! Ainda não coloquei fogo em nada, não quebrei nada, a casa está sempre limpinha, as coisas (quase) sempre estão no lugar certo...
É bem verdade que eu não faço faxina, porque não gosto e não sei fazer, então, pra isso eu prefiro pagar alguém. E a Tia Teresa é tudo de bom, a casa fica um brinco, ela tem o dom, sabe? Adoro quando ela vai lá.
O fato é que o apto tá a cada dia que passa mais a minha cara e eu to bem feliz com isso.
Faltam alguns detalhes, mas coisa pouca, sabe? E logo mais tudo estará mais que perfeito!

Meu namorado diz que morar sozinho tem dois lados, um bom e um ruim:
O bom é que você é sempre o dono da situação.
O ruim é que às vezes você quer conversar e não tem com quem.

Eu to curtindo morar sozinha. Às vezes sinto falta de ter alguém pra conversar, mas é raro acontecer, até mesmo porque passo o dia inteiro falando...
Mas quando isso acontece é fácil dar um jeitinho, né? A amiga mora perto, praticamente do lado, é só dar um pulinho lá e falar até não ter mais assunto... Ou então, ligar pro namorado, né?

O que eu mais gosto de morar sozinha é que tudo depende de mim, e ao mesmo tempo ninguém depende de mim pra nada...
Se eu quiser cozinhar eu vou lá e faço alguma coisa, e se não quiser não faço, porque não tem ninguém esperando pra comer...
Se eu quiser chegar e deixar um sapato no meio da sala eu deixo, não ter ninguém pra me encher o saco por ter deixado o sapato no meio da sala. Não que eu faça isso, porque não gosto de bagunça, pelo menos não na sala. Tem dia (quase todos) que fico com preguiça de guardar o sapato na caixa, então fica lá pelo quarto, nos pés ou embaixo da cama, mas como é tudo muito pequeno, eu acabo colocando dentro do guarda-roupas.
Um coisa que eu não consigo de jeito nenhum é sair de casa sem arrumar a minha cama, nem que seja dar aquela esticada básica no lençol. Pra mim, é inaceitável sair de casa e deixar a cama bagunçada...
Louça na pia? Eu evito, até mesmo porque não sou de sujar muito, no máximo de um dia pro outro...
Não sei como é a experiência de outras pessoas, a minha, por enquanto é assim...

Postado por Evy

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Sobre o amor

Aos que não casaram,
Aos que vão casar,
Aos que acabaram de casar,
Aos que pensam em se separar,
Aos que acabaram de se separar,
Aos que pensam em voltar...

Não existem vários tipos de amor, assim como não existem três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja. O amor é único, como qualquer sentimento, seja ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus.

A diferença é que, como entre marido e mulher não há laços de sangue, a sedução tem que ser ininterrupta. Por não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração no tom de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança acabamos por sepultar uma relação que poderia ser eterna.

Casaram. Te amo pra lá, te amo pra cá. Lindo, mas insustentável. O sucesso de um casamento exige mais do que declarações românticas. Entre duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes nem necessita de um amor tão intenso.

É preciso que haja, antes de mais nada, respeito. Agressões zero. Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência... Amor, só, não basta. Não pode haver competição. Nem
comparações. Tem que ter jogo de cintura para acatar regras que não foram previamente combinadas. Tem que haver bom humor para enfrentar imprevistos, acessos de carência, infantilidades.

Tem que saber levar. Amar, só, é pouco. Tem que haver inteligência. Um cérebro programado para enfrentar tensões pré-menstruais, rejeições, demissões inesperadas, contas pra pagar. Tem que ter disciplina para educar filhos, dar exemplo, não gritar. Tem que ter um bom psiquiatra. Não adianta, apenas, amar. Entre casais que se unem visando à longevidade do matrimônio tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infância, vida própria, um tempo pra cada um. Tem que haver confiança.

Uma certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou. É preciso entender que união não significa, necessariamente, fusão. E que amar, "solamente", não basta. Entre homens e mulheres que acham que o amor é só poesia,tem que haver discernimento, pé no chão, racionalidade. Tem que saber que o amor pode ser bom, pode durar para sempre, mas que sozinho não dá conta do recado. O amor é grande, mas não é dois.

É preciso convocar uma turma de sentimentos para amparar esse amor que carrega o ônus da onipotência.
O amor até pode nos bastar, mas ele próprio não se basta.

(TEXTO DE ARTUR DA TÁVOLA - recebido por e-mail)

Postado por Evy

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Apenas Feliz!

Gente, tudo bem?
Tô tão sem assunto... Um monte de coisa pra dizer, mas sem saber como dizer...
Essa semana foi hiper puxada, trabalhei até tarde todos os dias.
Mas também aconteceram coisas muito boas!!!
Encontrei amigas que não via há algum tempo e ficamos horas no restaurante conversando.
Finalmente tenho um fogão em casa! Finalmente tenho cortinas na sala e no meu quarto!
E o melhor de tudo: EU TENHO UM NAMORADO!!!

Semana que vem eu volto com novidades e com um post decente!

Postado por Evy (que no momento está feliz da vida!)

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Esclerose Multipla e Eu


Todo recomeço é difícil e o meu não está sendo diferente. Dei uma sumida nos textos mas explicarei o porque...

A minha vida começou a mudar há um mês,quando comecei a sentir uma dormência na barriga e no braço,foram vários médicos para descobrir a causa. Até que por ultimo,exatamente dia 17/06 passei no neurologista e o diagnostico foi Esclerose Múltipla.Mas não conhecia esta doença,fiquei apavorada..E como era uma leiga nesta doença,explicarei para vocês..

ESCLEROSE MULTIPLA É caracterizada também como doença desmielinizante, pois lesa a mielina, prejudicando a neurotransmissão. A mielina é um complexo de camadas lipoproteicas formado no início do desenvolvimento pela oligodendroglia no SNC, a qual envolve e isola as fibras nervosas (axônios), permitindo que os nervos transmitam seus impulsos rapidamente, ajudando na condução das mensagens que controlam todos os movimentos conscientes e inconscientes do organismo. Na Esclerose Múltipla, a perda de mielina (desmielinização) interfere na transmissão dos impulsos e isto produz os diversos sintomas da doença. Descobertas recentes indicam que os axônios sofrem dano irreversível em conseqüência do processo inflamatório, o que contribui para uma deficiência neurológica e, em longo prazo, para a invalidez. Os pontos onde se perde mielina (placas ou lesões) surgem como zonas endurecidas (tipo cicatrizes), que aparecem em diferentes momentos e zonas do cérebro e da medula espinhal. Literalmente, Esclerose Múltipla, significa episódios que se repetem várias vezes. Até certo ponto, a maioria dos pacientes se recupera clinicamente dos ataques individuais de desmielinização, produzindo-se o curso clássico da doença, ou seja, surtos e remissões.

E começou a mudar tudo na minha vida, vi o quanto a minha vida é importante, e quero viver muito e bem com a minha família. Eles são a minha força... Também percebi como meus amigos são importantes neste momento, o apoio que eles estão me dando está sendo essencial para o tratamento.

Agora, estou encarando melhor, vi o quanto às pessoas viver bem, às vezes até melhor depois da doença. E sei que tenho forças o suficiente para superar o obstáculos da vida.

Até a próxima pessoal...


Postado por Gabriela

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Sobre amigos

Oi gente, tudo bem?
Estou na maior correria nos últimos dias, e hoje, dia de jogo mais ainda...
Resolvi falar sobre algo que é muito importante pra mim e achei um texto bem legal sobre o assunto: AMIZADE

Amizade (do latim amicus; amigo, que possivelmente se derivou de amore; amar, ainda que se diga também que a palavra provém do grego) é uma relação afetiva, a princípio sem características romântico-sexuais, entre duas pessoas. Em sentido amplo, é um relacionamento humano que envolve o conhecimento mútuo e a afeição, além de lealdade ao ponto do altruísmo. Neste aspecto, pode-se dizer que uma relação entre pais e filhos, entre irmãos, demais familiares, cônjuges ou namorados, pode ser também uma relação de amizade, embora não necessariamente.

A amizade pode ter como origem, um instinto de sobrevivência da espécie, com a necessidade de proteger e ser protegido por outros seres. Alguns amigos se denominam "melhores amigos". Os melhores amigos muitas vezes se conhecem mais que os próprios familiares e cônjuges, funcionando como um confidente. Para atingir esse grau de amizade, muita confiança e fidelidade são depositadas.

Muitas vezes os interesses dos amigos são parecidos e demonstram um senso de cooperação. Mas também há pessoas que não necessariamente se interessam pelo mesmo tema, mas gostam de partilhar momentos juntos, pela companhia e amizade do outro, mesmo que a atividade não seja a de sua preferência.

A amizade é uma das mais comuns relações interpessoais que a maioria dos seres humanos tem na vida. Em caso de perda da amizade, sugere-se a reconciliação e o perdão. Carl Rogers diz que a amizade "é a aceitação de cada um como realmente ele é".

Popularmente, disse-se que "o cão é o melhor amigo do homem".

O Dia do Amigo é comemorado em 20 de julho.


Fonte (http://pt.wikipedia.org/wiki/Amizade)

Postado por Evy

quarta-feira, 23 de junho de 2010

World Cup Sucks


Tudo bem, você leitor deve estar achando que eu sou a mala mais sem alça do planeta. Além de não ter alça, estou com zíper quebrado e cheia de água dentro. Eu entendo. Como pode uma brasileira vir aqui e falar mal do Carnaval (texto aqui), que é a maior festa popular do planeta, principalmente no Brasil e depois, vir falar mal do evento mais esperado do futebol, que demora longos quatro anos para acontecer? Sim, este texto vai falar mal da Copa do Mundo. Sim, eu acho a Copa do Mundo um saco. Ah sim, eu sou mesmo brasileira.
Não é que eu não goste de futebol. Longe disso. Adoro assistir aos jogos do meu time do coração, São Paulo - no ano passado tive a experiência maravilhosa de ir assistir a um jogo lá no Morumbi. Foi demais! Mas, como tudo o que é em exagero, cansa, com o futebol não é diferente. E este fanatismo também me tira do sério.
Vamos por partes: o exagero. Ligue a TV a qualquer hora do dia e você verá alguém falando de futebol, ou ainda, um jogo acontecendo. Passa um pela manhã, um pela tarde e um mais para a noite. Um saco! Pior é que todo mundo quer acompanhar, fica falando disso, anotando nas tabelinhas, torcendo por este por aquele. Sem falar nos benditos bolões. E olha a cara feia quando você diz que não quer participar.
Outra coisa que me irrita é todo mundo ter uma opinião formada sobre qualquer assunto relacionado à Copa: quem é o favorito, qual o melhor jogador, quem leva a taça, quem deveria ser escalado, que técnico está viajando, enfim, para poder participar de uma conversa você tem que saber tudo, sobre tudo. Isso me incomoda profundamente.
Mas o que realmente me tira do sério é a rotina mudada por causa dos jogos. Gente, aonde já se viu uma coisa destas? As pessoas PARAM DE TRABALHAR para assistir futebol. As escolas mudam o horário das aulas. Nem ônibus tem nas ruas! E quem precisa sair, trabalhar, ir ao médico, como faz? Não faz, porque aonde quer que você vá não terá atendimento, já que todos estão assistindo ao jogo.
As ruas ficam todas decoradas, as pessoas se vestem e se pintam de verde e amarelo. Todo mundo, de uma hora para a outra, ama o Brasil. Aonde está este amor em dia de eleições? Cadê o patriotismo na luta pelos nossos direitos, na escolha dos nossos comandantes, na busca por educação e saúde de qualidade? Não existe.
Esta alienação me deixa louca da vida.
Não é chatice da minha parte. Acho o futebol um esporte muito legal e a Copa do Mundo um evento bonito, de verdade. Mas o brasileiro consegue estragar tudo. Pra variar.

Postado por Denise Lugli

terça-feira, 15 de junho de 2010

Um Ato de Amor !


Todo mundo sabe que nossa vida não é um conto de fadas, onde só coisas lindas e maravilhosas acontecem.

Já fazem 2 semanas que estou sendo bombardeadas com notícias que me afetam direta ou indiretamente, ainda mais quando machuca e entristece pessoas que amo e que estão no meu convívio.

Uma história me marcou em especial. A de uma vizinha minha chamada Cristiane.

Moro em um prédio na Zona Norte de São Paulo a pelo menos 23 anos, conheço essa minha vizinha a aproximadamente esse mesmo tempo, no começo tínhamos um contato um pouco maior, minha irmã mais do que eu, pois já que tem a mesma idade, na época saiam, iam pra balada. O tempo foi passando e por desencontros nos afastamos e só nos encontrávamos basicamente na garagem ou no elevador do prédio.

A algum tempo atrás, soube que a Cristiane estava com alguns problemas de saúde “Câncer de Mama”, sempre quando encontrava ela ou sua mãe procurava saber como ela estava, porem algum tempo antes de começar a quimioterapia ela teve uma notícia que mudou sua vida, ela estava grávida.

Com 38 anos, como sua vontade de ser mãe era grande, ela decidiu que ao invés de fazer a quimioterapia ela teria o bebê. Uma decisão difícil de se tomar, já que poderia colocar sua saúde em risco se não fizesse o tratamento.
Alguns meses se passaram e ela teve uma Linda menina chamada Mariana, a Cris amamentou a Mariana com uma única mama e deu todo seu amor a essa menina linda que hoje tem quase 2 anos de idade.

A alguns meses a Cris descobriu que seu ato de amor, de gerar uma vida ao invés de fazer seu tratamento se transformou em algo que ela estava ciente que poderia acontecer. Seu câncer evoluiu rapidamente se espalhando para outros órgãos
A Cris faleceu na sexta feira passada com 40 anos.

Não tenho filhos, não sei como é esse sentimento tão sublime que é o de ser mãe, achei esse gesto de amor tão imenso, pois a Cris abdicou sua vida para dar vida a uma outra, a vida da Mariana. Prova de amor maior que esta não existe !

“Mãe: Palavra pequena, mas com um significado infinito, pois quer dizer amor, dedicação, renúncia a si própria, força e sabedoria.”

Postado por Diana

OBS* Se alguém quiser ver, tem um vídeo de uma entrevista que a Cris deu no Fantástico no início de Abril.



sexta-feira, 11 de junho de 2010

A semana em que eu virei o Bozo

Eu não sou uma pessoa muito estressada, sou até calma demais, às vezes nem parece que sou de escorpião, mas tem coisas que me irritam profundamente, e uma delas é ser tratada como palhaça.
E a NET tem feito isso comigo desde quando passei a morar no pântano.
Começou quando foram fazer a mudança de endereço e fui gentilmente informada que no prédio pra onde eu me mudei não tem sinal do Virtua (internet) e nem do Netfone...
Beleza, o telefone eu não queria mesmo, já tenho dois celulares e a internet resolvi comprando um modem 3G. Acontece que todo mês a fatura vem cobrando somente a franquia do Netfone (aquele não funciona lembram?) e a tv que é a única coisa que funciona não estavam cobrando. Eu gosto de ter as coisas sempre muito certinhas e ligava religiosamente todos os meses pedindo pra acertar e a fatura seguinte vinha do mesmo jeito.
E então, solicitei uma nova mudança de endereço, pois me mudei para outro apto e foi aí que me transformaram no Bozo.
Pra começar o cara que foi fazer a mudança estava com "imensa vontade de trabalhar" e mal entrou no apto e já deu baixa na ordem com um belo cancelamento, já que segundo ele não poderia deixar a tv funcionando porque o virtua e o telefone não funcionam.
Acho que ele ficou com medo de aprender a voar, porque eu juro pra vocês que faltou muito pouco pra eu jogá-lo do 12º andar, e resolver "quebrar meu galho" e fazer um "gato" deixando a tv funcionando.
E desde então, eu estou ligando todos os dias na NET pra resolver essa maldita situação. E o que eu descubro? Descubro que o Zé Mané do instalador não deu baixa coisa nenhuma na ordem de serviço.
O mais legal é que vc liga no atendimento e cada robô (porque os atendentes da NET, pra mim, são apenas isso, robôs) fala uma coisa diferente e ninguém resolve nada.
Sem contar que até você conseguir falar com algum robô tem que ficar ouvindo aquele cara que fica escondindo dentro da maquininha falar com você: "Para tal coisa, digite 1, para outra coisa digite 2, para qualquer coisa digite 3..." E assim vai...
Eu estava tentando cancelar o Vírtua e o Netfone e manter somente a TV, mas segundo o povo de lá, só poderiam cancelar os dois ítens se a mudança de endereço fosse concretizada.
Eu só sei que só resolveram o meu problema, ou melhor, só falaram direito comigo quando eu disse que já estava cansada e de saco cheio e que já estava indo até o PROCON.
A moça de hoje, que foi muito gente boa por sinal, disse que iria resolver o meu problema, pois viu que a coisa estava ficando feia e que eu já estava realmente desgastada com a situação. Então, ela mesma baixou a tal da ordem de serviço e agendou uma visita de um técnico (que eu espero sinceramente que seja outro) para retirar o modem do Vírtua e do Netfone e deixar funcionando a TV.
Espero sinceramente que amanhã a coisa seja mesmo resolvida, caso contrário, vou passar uns dias na prisão, porque eu vou lá na NET matar pelo menos um...

Postado por Evy (que está à beira de um ataque de nervos...)

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Férias!





Quando vai chegando o meio do ano é impossível não pensar nelas. Ainda mais se você, assim como eu, tem filhos em idade escolar. Não há época melhor para férias do que o mês de julho, principalmente se você mora em São Paulo. Porque é um mês em que o frio está arrasador. Tudo o que você menos quer é ter compromissos às 7 da manhã.
Eu não gosto destes passeios de férias em excursão por causa disso. Pô, você tá de férias e tem que ficar seguindo horário, regras, hora pra acordar, pra conhecer tal lugar, depois outro... ah, me deixa. Tô de férias. Como diz meu querido Garfield: viva o ócio!
E é por isso que estou tão empolgada para que este mês acabe logo! As férias estão próximas e, desta vez, verei os dois lados: também estarei em férias como professora, já que o colégio fecha neste período. Mal caibo em mim de tanta euforia! Sabe quando você quer que os dias voem?
Ainda não planejamos para onde vamos viajar – até porque eu tenho um mês, mas meu marido só conseguiu 10 dias de folga – mas vamos fazer alguma coisa.
Eu adoro a falta de compromissos que as férias sugerem. É aquela coisa de sair sem ter hora para voltar, de não se preocupar com a hora em que vai dormir, tampouco, em dias de preguiça, se preocupar em tirar o pijama.
Mas eu acho também que é por isso que as férias duram pouco. Quem já ficou sem trabalhar sabe bem que esta vida calma cansa, em demasia. As férias duram o tempo certo: o suficiente para se divertir e o bastante para não enjoar. Elas sempre deixam aquele delicioso gostinho de “quero mais”.
Tão legal quanto as férias em si é o planejamento para elas. Horas olhando pro calendário e pros roteiros, imaginando o que cabe no seu espaço de tempo e, claro, no seu bolso! Para mim, as férias começam neste momento de escolha do destino!
O que importa é que junho é um mês que voa. Logo estamos na última semana e enfim chegam as amadas férias. Até lá, vamos sonhando com elas e planejando!

Postado por Denise Lugli

terça-feira, 8 de junho de 2010

A Morte não é nada....



Gosto muito desse texto e em meu nome e de todas as meninas do Blog dedicamos esse texto para nossa amiga Jú, que semana passada teve uma perda irreparável em sua vida.
Amiga querida, difícil dizer para você ser forte nessa hora, mas estamos aqui sempre com você para o que der e vier, que Deus lhe dê força e tranquilize seu coração. Te amamos muito !



A morte não é nada.
Eu somente passei para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, eu continuarei sendo.

Me dêem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram.
Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou vivendo no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos.
Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciadocomo sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombraou tristeza.

A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora de suas vistas?

Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho...
Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi."

(Santo Agostinho)

Postado por Diana



terça-feira, 1 de junho de 2010

Brrrrrrrrrrrrrrrr Que Frio !!!!

Confesso que não sou muito fã do frio, acho um período onde as pessoas parecem mais desanimadas, porque ficam mais encolhidas, amoadas, sem vontade de sair ou fazer muitas tarefas, inclusive acordar cedo para trabalhar.
Porem, tudo tem o lado bom da coisa, porque acho que o frio, faz com que as pessoas se aproximem mais em diversos sentidos, principalmente no lado romântico da coisa. Nos dias de frio são os dias em que é tão bom ter um abraço, tudo é mais gostoso. Uma taça de vinho a dois, comer um fondue, tomar chocolate quente. É a época que mais sinto vontade e saudades de ter alguém ao meu lado, me enchendo de afagos e carinhos.
E assistir um filme embaixo de um edredon bem fofo ? Ai, que delícia, adoro !

Nos dias de frio também acho as pessoas mais elegantes, bem vestidas, andando nas ruas com seus casacos, botas, cachecóis, tudo muito lindo.
Ficar com roupa é bom e tirar a roupa ? Tomar um banho é um martírio, nem dá vontade. Depois perguntam porque os europeus não tomam banho (rs), se aqui no Brasil que faz um frio mais ameno do que lá, não dá vontade, imaginem em um lugar que neva e que faz um frio muito maior que aqui.

Vou aproveitar esse feriado pra ficar em casa, curtir meu pijama maravilhoso e quentinho "Made in Ireland", que ganhei da minha amiga Mel Ferrari e ficar o dia todo embaixo do edredon, vendo filme e comendo pipoca. Melhor que isso, só se tivesse um outro cobertor, o de "orelha" (rs).
Postado por Diana




sexta-feira, 28 de maio de 2010

Cansei

Hoje eu vim aqui apenas para dizer que cansei...
Não quero mais gostar de alguém que NUNCA será capaz de retribuir o meu amor.
Eu sei que não é tão simples assim, e que não é do dia pra noite que a gente esquece alguém, mas o fato é que estou decidida a esquecer!
E como diria a música do Jorge & Matheus: "Hoje eu acordei gostando mais de mim, vou cair fora numa boa"
É isso...

Postado por Evy

quarta-feira, 26 de maio de 2010

O que é felicidade?


Eu não sou fã do Roberto Shinyashiki, tampouco conheço sua biografia. Mas me deparei com um texto interessantíssimo dele sobre a felicidade, que vai ao encontro de muitos conceitos meus sobre o assunto. Por isso, estou dividindo com vocês. A felicidade, às vezes, está mesmo nas coisas mais simples.

Hoje, para mim, felicidade é poder estar em paz e com saúde ao lado da minha família. É estar feliz com meu trabalho, mesmo que o salário seja menor do que os de anteriormente. Porque nada neste mundo paga a minha paz de espírito e a sensação de estar bem comigo mesma, tranquila com minhas escolhas e idealizações. É ver meus amigos bem, saber que eles estão ali, presentes, mesmo que a presença não seja física. É saber que o amor está próximo, não importa o tipo de amor: amigo, marido, filho, família. Enfim, felicidade, para mim, hoje, é saber que tudo pode ser menos complicado. Basta aceitar a vida como ela é.

Abaixo, o texto do Shinyashiki. E em cima, na foto, um clique meu, num momento feliz.

Quando eu era criança, sentia-me muito infeliz. Havia tantas coisas que queria fazer e não podia! Quando me sentia frustrado, pensava no dia em que entraria na escola. Seria então muito feliz. Quando entrei no primário, percebi que ainda faltavam muitas coisas para ser feliz. Então achei que, quando passasse para o ginásio, seria totalmente feliz.



Mas também não foi assim. Imaginei que, quando subisse um pouco mais os degraus do conhecimento e fosse para o colegial, finalmente seria feliz. Mas minha insatisfação continuou. Ah, mas quando entrasse na faculdade de medicina a felicidade viria inevitavelmente. Outra frustração. Os problemas continuavam e a angústia aumentava. Quando me tornasse médico, pensei, alcançaria a felicidade. Teria poder, dinheiro, as pessoas me respeitariam e, dali em diante, tudo daria certo para mim.

Demorou, mas acabei percebendo que não era desse jeito que a vida funcionava. Não havia um momento definitivo de felicidade. Então conclui que a felicidade não existia. Até que um professor me disse que não existia felicidade, mas apenas momentos felizes, e que nós tínhamos de aproveitá-los para poder desfrutar a vida o melhor possível. “É isso mesmo!”, pensei. Nos momentos em que vivia o amor ou conseguia uma vitória no trabalho, me sentia bem. Felicidade devia ser algo parecido com isso. Esses momentos me davam a sensação de paz, tranqüilidade, e isso devia ser a felicidade. Entretanto, depois de algum tempo, percebi que faltava alguma coisa mais. Não era possível que felicidade fosse só aquilo. Tanta luta por tão pouca recompensa!

Em um momento da vida achei que tinha conquistado tudo o que imaginei ser possível para me tornar feliz. Mas eu vivia frustrado, perguntava-me se a vida era só uma coletânea de momentos. Como sempre fui muito religioso, não acreditava que o Criador fosse capaz de me mandar para essa viagem por tão pouco. Deveria haver algo mais. Assim, decidi ir para o Oriente conversar com os mestres e saber o que eles pensavam a respeito da felicidade.

Fui para o Nepal, mais exatamente para um mosteiro budista nos arredores de Katmandu. Chegar àquele lugar já foi uma epopéia. Uma viagem de avião até Londres, outra até Nova Délhi e mais uma até Katmandu.

Um amigo havia me indicado um mestre que vivia ali. Instalei-me em um hotel e saí à procura do mosteiro. Na portaria, a pessoa que me atendeu disse que ele iria me receber às 9 horas da manhã seguinte. Naquela noite praticamente não dormi. Fiquei excitado com a possibilidade de me ser revelado o segredo da felicidade. Saí ainda de madrugada do hotel, na esperança de o mestre estar disponível e poder conversar mais cedo comigo. Fiquei esperando até que, por volta de 9 horas, uma mulher que falava inglês com sotaque francês entrou na sala.

Imaginei que me levaria ao mestre. Acompanhou-me até uma sala, estendeu uma almofada e pediu para que me sentasse a sua frente. Era uma moça morena, jovem, muito bonita, a quem pedi:

— Quero falar com o mestre.

Ela então me respondeu:

— Eu sou o mestre.

Não consegui esconder meu desapontamento e raciocinei: “Viajei tanto para chegar até aqui e conversar com um mestre de verdade, e me aparece uma mestra francesa! Todo mundo procura um mestre velhinho, oriental, com longas barbas. Não uma mulher jovem e bonita, que nem nasceu no Oriente!”

Resolvi insistir:

— Você não entendeu direito, quero falar com o mestre.

E novamente ela me respondeu:

— Eu sou o mestre.

Então pensei: “Vou fazer uma pergunta bem difícil para que ela se sinta embaraçada e me leve ao mestre de verdade”.

— O que é budismo? — perguntei.

Tranqüilamente, ela me respondeu:

— A base do budismo é o fato de que todo ser humano sofre.

Pensei comigo mesmo: “Não é possível. Saio da cultura ocidental, que prega o sofrimento como base da purificação e da sabedoria, e aqui ouço que a base do budismo é o sofrimento?” Não satisfeito, resolvi fazer uma pergunta ainda mais difícil para que ela não soubesse a resposta e me levasse ao verdadeiro mestre:

— E por que os seres humanos sofrem?

— Porque são ignorantes — ela respondeu.

Pensei: “Bem, se são ignorantes, deve haver alguma coisa que não saibam e que talvez seja a resposta para o que estou procurando”.

— E qual é o conhecimento que nos falta? — arrisquei.

— O que precisamos ter é a compreensão de que as coisas na nossa vida são dinâmicas e fluidas. Quando o ser humano está feliz bloqueia a felicidade, pois deseja a eternidade para esse momento. Torna-se rígido, com medo de que o prazer acabe. Quando está infeliz, julga que o sofrimento não terá fim, mergulha na sombra, e assim amplia sua dor.

A mestra continuou:

— Como as ondas do mar, a vida é dinâmica. É tão certa a subida quanto a descida. Cada momento tem sua beleza. No prazer nós nos expandimos e na dor nos contraímos. Um movimento é complementar ao outro. Saber apreciar a alegria e a dor constitui a base da felicidade. Você não pode ser feliz somente quando tem prazer, pois perderá o maior aprendizado da existência. Você deve descobrir um jeito de ser feliz na experiência dolorida porque ela carrega a oportunidade de desenvolvimento.

À medida que a mestra falava, meu queixo caía. Como ela tinha atingido tanta sabedoria? Por que eu não havia chegado antes àquelas conclusões? Será que, finalmente, iria conhecer o segredo da felicidade?

E ela continuava a me ensinar:

— Não desfrute somente o sol, aprecie também a lua. Não desfrute somente a calmaria, aproveite a tempestade. Tudo isso enriquece a existência. A vida não acontece somente dentro de uma casa, de uma cidade, de um país: ela tem de ser experimentada dentro do universo. A felicidade é um jeito de viver, é uma conduta, é uma maneira de estar agradecido ao sol, à lua, a quem lhe estende a mão e também a quem o abandona, pois certamente nesse abandono está a possibilidade de você descobrir a força que existe em seu interior. A felicidade não é o que as pessoas têm, mas o que elas fazem com isso. Por esse motivo há pessoas que, apesar de ter bens materiais, de ser bem relacionadas, com filhos saudáveis, ainda assim se sentem angustiadas e deprimidas.

Encantado com suas palavras, consegui apenas balbuciar antes de sair:

— Obrigado, mestra!

No caminho de volta, fiquei pensando: A felicidade não é o que acontece na nossa vida, mas como nós elaboramos esses acontecimentos. A diferença entre o sábio e o ignorante é que o primeiro sabe aproveitar suas dificuldades para evoluir, enquanto o segundo se sente vítima de seus problemas.
(Texto de Roberto Shinyashiki, site: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/felicidade_rs01.htm)

Postado por Denise Lugli

terça-feira, 25 de maio de 2010

INCERTEZAS


"Nada como um texto sobre incerteza, para alguém que no momento está passando por várias delas"



Queremos ter certezas e vivemos sempre na incerteza. Buscamos verdades absolutas e percebemos que tudo muda, é relativo, que tem ângulos. É doloroso constatar nossa ignorância fundamental.

Somos como uma lancha no meio de um oceano: temos de decidir o rumo com poucos instrumentos de navegação; conhecemos alguns “macetes”, temos algumas experiências consolidadas, mas há uma grande margem de insegurança em cada opção, em qualquer campo, em qualquer momento. Não temos garantias definitivas. Temos algumas certezas e muitas incertezas.

De tudo, de qualquer situação, leitura ou pessoa podemos extrair alguma informação, experiência que pode nos ajudar a ampliar o nosso conhecimento, seja para confirmar o que já sabemos, seja para rejeitar determinadas visões de mundo ou para modificar o seu enfoque.

Viver é ir aprendendo a decidir da forma mais tranqüila possível entre mil possibilidades, que na sua grande maioria não se realizarão. É ir escolhendo e renunciando; ir avaliando e, ao mesmo tempo, reconhecendo que nunca temos a certeza das decisões, porque não temos a experiência do que aconteceria com as outras escolhas que deixamos de lado.

Viver é buscar permanentemente o sentido que se constrói no dia-a-dia, nas pequenas decisões. Sentido que vai revelando seu desenho em alguns momentos marcantes ou quando conseguimos enxergar mais do alto, momento em que obtemos uma perspectiva mais abrangente.

Esses momentos são fortes e nos ajudam a tentar ampliar os significados ocultos do cotidiano, quando tudo parece tão banal e repetitivo.
  • Podemos aprender a desvendar, a compreender e a aceitar os caminhos que já percorremos. Aprender a compreender e a aceitar as escolhas atuais, a permanente dúvida de estar acertando nas decisões, a incerteza do que deixamos de lado, do que poderíamos ter sido, ter feito, ter tentado. Equilibrar a manutenção de uma estrutura básica constante e de inúmeras pequenas escolhas novas, que acrescentam riqueza ao nosso presente, mas também trazem tensões e inseguranças.
  • Podemos aprender a compreender que, ao viver entre a segurança do já conhecido e a insegurança do novo, estaremos sempre abrindo novas perspectivas. E isso implica ganhos e perdas, envolve ampliação do nosso repertório e possível perda de síntese, gera dúvidas quanto a que decisões serão as melhores.
  • Podemos aprender a aceitar o fato de que viver é uma permanente prática de escolhas, de ganhos, de renúncias, de acertos e de erros, com os quais vamos construindo nosso mosaico, nosso caminho. E aceitar a precariedade de descobrir o que é permanente nas escolhas provisórias.
  • Podemos aprender a confiar em nós, quando estamos no meio de ondas gigantescas que nos jogam para todos os lados, principalmente para o chão, quando nos sentimos sacudidos por todas as partes, desorientado, sem saber para onde ir.

Somos tentados, com freqüência, a “mudar”, a “sair dos nossos trilhos”, escolhendo de forma radical o oposto do que fazemos. É difícil avaliar se são alternativas de mudança ou fugas. Há mudanças que nos ajudam a crescer e outras que nos tiram de nosso eixo.

Muitas pessoas, diante da confusão e incerteza das escolhas, optam por “viver o momento”, por “não pensar”, por “curtir a vida”. Transformam seus dias em um agito permanente, em uma movimentação feérica atrás de gratificações contínuas. Mas percebe-se, numa análise mais profunda, que essa opção não é fruto de escolhas conscientes, mas de uma atitude fundamentalmente desesperada diante da vida. Correm para não terem que se enfrentar. Correm,porque intimamente não aceitam a si mesmas, não se gostam.

Aprendemos a viver quando navegamos na incerteza e, ao mesmo tempo, confiamos na nossa bússola, procuramos aprimorá-la e não punimos a nós mesmos por erros de pilotagem, mas, ao contrário, aprendemos com eles. Se equilibrarmos a incerteza e a confiança, encontraremos nossos melhores caminhos.

Viver significa estar de olhos abertos, aceitar-se, enfrentar decisões contraditórias e ir verificando se no todo estamos crescendo em paz e em relação. É constatar se, mesmo em situações não ideais, precárias, nós nos aceitamos melhor, se avançamos na compreensão de nós mesmos e do que nos rodeia, e se nos sentimos mais confiantes. (Texto de José Manuel Moran)

Postado por Diana

domingo, 23 de maio de 2010

Por onde vocês andam?



Esses dias eu andei pensando, por onde andam minhas amigas, o que elas tem feito???
A vida anda tão corrida ultimamente que quando aparece um tempinho extra aproveitamos para fazer as outras 154643453164 atividades que precisamos e acabamos deixando outras para trás ou, simplesmente aproveitamos para não fazer nada, absolutamente nada.

Não sei se é saudosismo ou não, mas seja lá o que for que esta acontecendo, simplesmente eu estou com saudades da minhas amigas, das coisas que fazíamos e do tempo que passávamos juntas.

Eu me sinto abençoada em ter tantas pessoas queridas na minha vida e sinceramente sinto falta de cada uma delas.

Ultimamente não tenho saído muito, pois ando muito cansada, e o tempo que eu tenho extra estou preferindo ficar em casa vendo TV ( sim, também acho que estou perdendo tempo, mas acreditem – tem muita coisa interessante rolando na telinha rsrs, isso quando não estou dormindo), mas sinto uma falta enorme do tempo que passo com minhas amigas e amigos.

Sinto uma falta enorme dos conselhos, das historias, do cotidiano, das nossas experiências, juntas ou sozinhas......de falar mal dos homens ahahaha, essa é sempre a parte mais engraçada, de ver o que estão vestindo e perguntar aonde compraram, das nossas risadas e dos laços que temos.

E ontem eu só pude comprovar o quanto meus amigos me fazem falta, depois de algum tempo sem sair, resolvi me jogar na balada com 3 amigas, a balada em si não foi o auge da noite ( apesar do lugar ser Lindo), mas comer macarrão com File Mignon as 3:30 da manhã em uma Cantina no Bixiga com certeza foi o ápice da Night.
Como eu sinto falta das minhas amigas e porque não dizer dos meus amigos também.

Amigos, amo vocês e mesmo com a distancia e a ausência não passo um dia sem me lembrar de como vocês são especiais.

Postado por Juliana

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Agora é oficial


Oi gente, tudo bem?

Pela imagem que escolhi já deu pra perceber que estou de mudança mais uma vez, né?

Só que agora é sozinha.

Ainda não é o MEU apto, mas é como se fosse, já que agora todas as despesas, sem exceções serão por minha conta.

Foi tudo muito rápido. Vi o apto na quarta passada, na sexta já estava com contrato assinado e nessa segunda com as chaves na mão.


Na terça comprei a geladeira, a máquina de lavar, o fogão e o depurador de ar. Só falta entregar o depurador, e chamar a Comgás pra instalar o fogão.

Ficou faltando comprar o sofá e o rack.Pretendo me mudar definitivamente no próximo final de semana.


Eu estou mega feliz e super ansiosa!!! Não vejo a hora de "pular pra dentro", de ver tudo arrumadinho do meu jeito, sabe?

Fico sonhando com as coisas, com os detalhes, o tapete que vou colocar na porta do lado de fora, os enfeites que vou pendurar na parede da sacada, as cortinas da sala, dos quartos, a forma como vou guardar as coisas no armário da cozinha.

Consigo me ver chegando do trabalho, abrindo a porta e entrando e já me jogando no sofá e ligando a TV...


Junto com a ansiedade vem o medo, medo do novo...

Não tenho problemas em ficar sozinha, pois já sou acostumada por causa do meu trabalho, na maior parte do tempo estou sozinha em alguma cidade desconhecida e muito longe de casa, então, essa parte eu sei que vou tirar de letra!

Vou aprender a cozinhar, vou aprender a ser dona de casa!

Talvez isso não seja a melhor coisa do mundo e nem seja motivo pra tanta empolgação, mas pra mim é, sabe?

Em novembro completo 30 anos, serei uma balzaquiana 100% independente, 100% dona do meu nariz, senhora do meu destino e da minha vida!

Só não queria ser uma balzaquiana solteira, mas se até lá ainda estiver sozinha, paciência! Uma hora vai acontecer!!!


Acho que o ano de 2010 me reserva boas coisas!

Postado por Evy

quarta-feira, 19 de maio de 2010

A crise dos 29


Estou entrando em crise com a minha idade. Logo eu, que sempre ri com os livros da “Bridget Jones” e achei que não teria este tipo de “paranoia”, confesso: estou abalada. De repente me caiu a ficha que estou indo rumo ao meu último ano na casa dos 20. Se todo mundo tem crise quando chega aos 30, eu estou entrando em crise porque farei 29. Ou seja, além de tudo, sou louca, porque até minha crise chega antes.
A Jú e a Gabi aqui do blog já falaram sobre isso (veja os arquivos) e a Déa postou nesta semana um texto mais ou menos sobre este assunto. Enfim, olhando à minha volta, posso perceber que esta crise é normal e que um dia ataca a todos nós. Chegou o meu dia.
Comecei a perceber que a crise estava atacando quando me vi folheando catálogo e olhando na parte de cremes para o rosto e corpo. Sempre detestei cremes. Sério. Não via lógica em sair do banho, limpinha e cheirosa e me “melecar” toda. Nas poucas vezes em que fiz isso, tive ímpetos de correr para uma nova ducha. Mas aí, com um novo olhar, comecei a encontrar linhas de expressão que antes não existiam no meu rosto. E estas olheiras, de onde saíram? Sem contar sobre os cabelos brancos, mas estes não me incomodam tanto, porque existem ali desde os meus quinze anos. Na verdade, não me incomodavam. Agora, quando eles decidiram sair bem na linha divisória do cabelo, minha vontade é arrancar tudo.
Resumo: comprei creme para as linhas de expressão do rosto, creme firmador para a pele um maldito sabonete esfoliante. E, claro, vou voltar a pintar o cabelo, já que a cor natural está meio “natural” demais. Meu marido, acostumado com minha falta de gosto por estas coisas, até me perguntou:
- “Você tá me traindo?”
E ao responder a ele, me dei conta do que estava acontecendo. Porque minha resposta foi:
- “Não, estou com medo de parecer uma velha”.
Lá no colégio, meus alunos me chamam de “prô”, um apelido carinhoso. Mas quando falam comigo sobre mim, me chamam de senhora. Isso acaba comigo. Senhora é a minha vó, quem, aliás, nunca me deixou chamá-la assim. Se quiser briga com a minha avó é só chamá-la de senhora. Ela sempre responde, de pronto, no alto dos seus 70 anos:
- Não me chame de senhora porque eu não sou velha.
E não é mesmo. Ela trabalha, é super lúcida, anda pra cima e pra baixo e, para meu desespero, pinta o cabelo de loiro porque gosta e não para cobrir os fios brancos, que nunca existiram em sua cabeça.
Um dia destes, lá no colégio, uma aluna perguntou a minha idade. Quando eu disse, ela me respondeu:
- Nossa prô, a senhora é bem mais nova que a minha mãe!
Minha vontade foi responder: “claro que sim, né, já que você tem “apenas” 14 anos e eu teria que ter sido mãe na sua idade para que você estivesse aqui hoje”. Depois, pensando melhor, vi que não seria a resposta adequada e apenas sorri e me dei conta: se antes eu era comparada aos amigos e primos, agora já sou comparada às mães. Devem ser as marcas de expressão.
Decidi que quero chegar inteira aos 30. Quero estar bonita, com cabelos bonitos, sem fios brancos, mesmo que tenha que recorrer ao artificial. Também não quero que as marcas de expressão ao redor dos olhos (me recuso a pensar na palavra ruga) estejam mais suaves, a pele mais dura e o manequim, 42. Não quero parecer uma ridícula tentando esconder a idade, mas não quero ter cara de senhora. Pelo menos não aos 30 anos. Se algum dia me chamarem de “dona Denise”, eu acho que tenho um infarte. Não. Melhor ter um ataque de nervos, já que infarte é doença de velho.

Postado por Denise Lugli

terça-feira, 18 de maio de 2010

Brasiliana di Cuore, Italiana di Anima !

Eu sempre acreditei em reencarnação e ao contrário de muitas pessoas, creio que já vivemos vidas anteriores.

Desde pequena, sempre fui fascinada pela Itália, claro que uma parte disto se deve ao fato de meu pai ser italiano, minha tia, irmã dele também é italiana, vive aqui no Brasil assim como meu pai, que tem 74 anos e está aqui a 56 anos.
Quando era pequena ouvia muitas canções italianas e muita gente pensou que ao longo do meu crescimento tudo se perderia e que com o tempo me desinteressaria. Muito pelo contrário ! Pois, continuo fascinada por tudo que envolve a Itália e sempre digo, que, eu fui sim italiana na outra vida e o mais engraçado é saber inclusive a minha origem, ROMANA !

Em todas as vezes que fui viajar para a Itália, quando vou para Roma, me identifico com aquela cidade como se já tivesse vivido em alguma época da minha vida lá.
Quando vejo o coliseu, me arrepio da cabeça aos pés ! Por mais que ali tenham ocorridos batalhas sanguinárias e brutais, me faz lembrar a época que vivi em Roma, porque eu sei que vivi (rs).
Como não se apaixonar por uma cidade, que você respira cultura, que em qualquer lugar que você pise, está pisando em milhares de anos de história.
Já fui para outras cidades na Itália, mas a minha ligação com Roma é impressionantemente forte.

Tudo que é relacionado a este país me encanta, adoro a Língua, a Música, a Cultura, a História e posso dizer, porque não, os homens italianos, pois cá entre nós, são os homens mais lindos e charmosos do mundo (rs).

A primeira vez que fui para a Itália, acredito que tinha uns 6 anos, conheci uma menina chamada Gisella, fizemos amizade e em algum tempo já comecei a soltar algumas palavras e frases em italiano, aliás, somos amigas até hoje, sempre que vou viajar para a Itália nos encontramos.

Aprendi a falar e escrever italiano e tudo por puro amor, estudando por conta própria, mantendo contato na época por “carta” com alguns amigos que fiz na Itália e com o passar do tempo por internet, que uso até hoje e me ajuda tanto a não esquecer e sim, só aprender mais e mais, claro que me atrapalho um pouco, mas consigo me comunicar muito bem.

A 1 mês e meio atrás fui fazer um cruzeiro, algo que nunca tinha feito. Mal sabia que me sentiria na Itália, já que o navio era de origem italiana e claro, quase todos os tripulantes eram italianos também, adorava ouvir aquela gente conversando, como acho lindo o sotaque, parece que falam cantando, não sei explicar.

Bem, enquanto meu sonho de morar na Itália (em Roma) não se realiza, vou me contentando em assistir a novela da Globo "Passione", pois com aquelas paisagens e lugares lindíssimos me sinto mais próxima deste país que tanto amo.

Postado por Diana (Que por coincidência tem o mesmo nome protagonista da novela Passione - rs)